Menu
Brasil

Pai e filho são mortos após serem confundidos com assaltantes

Segundo denúncia do MP, homicídio contra adolescente foi encomendado e atingiu alvo errado.

Por Redação

15/05/2024 às 07:37 | Atualizado em 18/05/2024 às 16:09

Pai e filho foram mortos por engano por policiais contratados para matar assaltantes, aponta denúncia - Arquivo pessoal

Pai e filho foram mortos por engano por policiais contratados para matar assaltantes, aponta denúncia (Foto: Arquivo pessoal)

A morte de pai e filho assassinados quando estavam a caminho da escola pode ter sido motivada por um engano na execução de um crime por encomenda, na Grande Fortaleza. Dois policiais militares teriam errado o alvo ao tentar matar um adolescente que havia assaltado uma empresa, diz denúncia do Ministério Público do Ceará.

O g1 teve acesso ao documento do processo, que corre em segredo de Justiça. O crime aconteceu no dia 18 de agosto de 2023, no município de Eusébio, na região metropolitana de Fortaleza. As vítimas foram Francisco Adriano da Silva, de 42 anos, e o filho Francisco Gabriel da Silva, de 13 anos.

O pai trabalhava em um cemitério e em um estacionamento da região, enquanto o filho era aluno da Escola das Guaribas, unidade de ensino municipal de Eusébio. Eles estavam a caminho da escola quando foram assassinados a tiros dentro do carro em que trafegavam.

Execução com alvo errado

Homem e adolescente são assassinados com vários tiros no Eusébio, na Grande Fortaleza — Foto: TV Verdes Mares/Reprodução

Com base em inquérito policial, dois policiais militares teriam cometido o crime: Paulo Roberto Rodrigues de Mendonça, apontado como o autor dos disparos, e Halley Handroskowy Magalhães Martins, que estaria pilotando uma motocicleta e auxiliou a ação. Um terceiro policial militar também pode estar envolvido.

Segundo denúncia do MP, os policiais Paulo Roberto e Halley cometeram um equívoco, pois o alvo do ataque seria um jovem cujo endereço era próximo de onde as vítimas moravam. A diferença entre os endereços é de “poucos metros”, conforme o documento de denúncia.

As investigações apontam que o verdadeiro alvo estava envolvido em um roubo a uma empresa situada em Itaitinga, também na região metropolitana de Fortaleza. E que a morte do assaltante pode ter sido encomendada aos policiais.

Em um dos aparelhos celulares apreendidos durante a investigação, foram encontradas várias imagens de consulta aos dados criminais do assaltante no sistema da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Estas pesquisas aconteceram enquanto os policiais estavam no estabelecimento roubado.

O roubo à empresa tinha sido registrado dois dias antes do crime cometido contra Francisco Adriano e Francisco Gabriel. Três homens levaram do estabelecimento um aparelho celular, R$ 5 mil reais e o pagamento quinzenal de um funcionário.

As investigações também apontaram que os dois policiais voltaram ao endereço da empresa depois da morte de pai e filho, sendo encontrados posteriormente com a quantia de R$ 4 mil — o que sugere que eles teriam recebido o dinheiro como pagamento pela execução do crime.

Um boné com a marca da empresa roubada também foi encontrado na residência do policial Halley.

O homicídio

Familiares se abraçam e choram no local onde homem e adolescente foram assassinados a tiros no Eusébio, no Ceará — Foto: TV Verdes Mares/Reprodução

A quantidade de disparos contra o pai e o filho também evidenciou que o adolescente era o alvo principal dos criminosos durante a execução. O laudo pericial apontou que Francisco Gabriel teve 14 perfurações causadas por entradas e saídas dos projéteis. O pai dele tinha apenas duas perfurações.

Os dois estavam dentro de um carro no cruzamento das avenidas Brasília e Cícero Sá, no bairro Parque Havaí, quando os dois policiais chegaram de motocicleta.

O veículo em que estavam as vítimas ficou com várias marcas de tiros no para-brisa, tanto do lado do motorista como do passageiro. A rua onde ocorreu o crime foi isolada, e o trânsito foi desviado.

Gabriel era aluno do 9º ano da Escola das Guabiras, que divulgou uma nota de pesar pela morte do adolescente e do pai.

Prisões

O primeiro suspeito identificado foi o policial Paulo Roberto, de 38 anos. Equipes da Delegacia de Assuntos Internos (DAI) e do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) montaram operação de vigilância em frente à residência dele, que tentou fugir de carro quando percebeu que seria abordado.

Durante a perseguição, o suspeito teria jogado objetos pela janela do veículo para tentar se desfazer de evidências, como a pistola que posteriormente foi confirmada como a arma usada para atirar contra as vítimas.

Paulo Roberto foi preso em flagrante no mesmo dia, em Fortaleza. Com o soldado, foram encontradas quatro armas, um simulacro e um silenciador.

Em outubro de 2023, o Ministério Público do Ceará denunciou Paulo Roberto pelos seguintes crimes:

Duplo homicídio qualificado - com as qualificadoras de crueldade;

Impossibilidade de defesa da vítima;

Emprego de arma de fogo de uso restrito e contra menor de 14 anos, pela morte do adolescente;

E impossibilidade de defesa da vítima e emprego de arma de fogo de uso restrito, pelo assassinato do pai.

O policial militar já era réu na Justiça por suspeita de balear uma criança, à época com 2 anos, durante uma ocorrência em Fortaleza. Paulo Roberto já era investigado desde 2017, por suposta prática de lesão corporal grave na modalidade culposa.

Com o avanço das investigações, Halley teve um mandado de prisão cumprido no dia 28 de fevereiro deste ano, sendo o segundo policial preso pelo crime. Na ocasião, um homem que não é agente de segurança e que não teve a identidade divulgada também foi preso.

A ação fez parte de uma operação da Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública para cumprir mandados de busca e apreensão e quatro de prisão em desfavor de dois policiais militares e dois indivíduos não policiais.

A defesa de Halley entrou com pedido de habeas corpus no Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), solicitando a revogação da prisão preventiva e o uso de outras medidas cautelares, que poderiam ser fiscalizadas com o monitoramento eletrônico. Ainda não houve decisão sobre o pedido.

Halley Handroskowy também já foi preso, em 2019, ao ser investigado pelo homicídio de um jovem de 21 anos em Fortaleza, juntamente com outros três policiais.

Conforme os autos, a vítima era Alisson Xavier Lima, assassinado no bairro Jangurussu. O jovem havia sido solto meses antes de ser morto, depois de ser condenado a quase cinco anos de prisão pelo crime de tráfico de drogas e recorrer para cumprir a sentença em liberdade.

G1

Tópicos
Anúncio full